Alimentos Comidas Dicas Dicas de Negócios Sem categoria

Maior procura por alimentação saudável: O restaurante está preparado para este novo momento?

Escrito por admin_bomsabor

É crescente o número de pessoas em busca de saúde e qualidade de vida através de melhores escolhas alimentares. Com o acesso a informação, o consumidor faz escolhas mais saudáveis hoje do que fazia há 5 anos, por exemplo.

Com o aumento do acesso a informação, o consumidor em sua grande maioria está apto a ler rótulos, saber qual tipo de alimento é mais saudável e quais devam ser evitados. Para tal, muitos restaurante estão em adaptação para atender essa demanda.

E agora vem a grande questão: Os restaurantes estão realmente preparados para atender essa demanda saudável?

Se analisarmos friamente, até as redes de fast food mais tradicionais, passaram recentemente por modificação de cardápio para atender, ao menos, parte deste público com uma escolha mais saudável.

Mas e os restaurantes tradicionais, estão preparados? Na grande maioria, não. O conceito saudável depende de alguns tópicos importantes, como escolha do alimento, modo de preparo e a forma de servir. Muitas vezes escolher uma alimento saudável, não é sinônimo de garantia de saúde. Pois o modo de preparo ou apresentação, podem comprometer a qualidade geral do alimento.

Para melhor entender, vamos dividir em três tópicos e detalhar melhor sobre cada para formarmos uma linha de raciocínio:

1. Escolha dos alimentos: Escolher o alimento certo, vai além de comprar um produto titulado saudável. A escolha correta tem relação com a avaliação do fornecedor, para garantir a real procedência do alimento/produto. A forma como foi produzido e armazenado, até sua comercialização e transporte. Se um destes pontos falhar, o total compromete. Vamos simular um exemplo? Imagine que um restaurante resolva valorizar seu cardápio com um belo Salmão selvagem, verdadeiramente fonte de ômega 3, mas seu fornecedor apresenta condições de armazenamento e higiene precárias, certamente a qualidade deste alimento será comprometida, e chamarmos de saudável já não será mais adequado.

2. O preparo do alimento: Esta certamente é a etapa mais importante do processo. Pois é nesta etapa que um excelente alimento, pode se tornar um verdadeiro pesadelo. Através de outros ingredientes adicionados e o modo de preparo inadequado, podemos perder o título saudável de um determinado prato. Vamos exemplificar: Um restaurante compra Quinoa em grãos para ter um cereal diferenciado e super nutritivo em sua gama de opções, mas esta quinoa será refogada com gordura hidrogenada e realçador de sabor. O impacto destes elementos nocisos, certamente será maior que os benefícios do cereal. Por tal, não poderíamos chamar de prato saudável.

3. E por fim e não menos importante: Armazenamento e exposição. Aprendemos nos tópicos anteriores que a escolha adequada da matéria prima e o modo de preparo estão intimamente ligados a saúde do prato. Mas e se após isso, acondicionarmos este prato em recipientes ou condições impróprias, levamos as duas etapas anteriores por água abaixo. Desta vez usaremos o exemplo de um delicioso ceviche, elaborado de forma leve com ingredientes selecionados a dedo. Se este prato estiver exposto em balcão com temperatura inadequada, novamente cairemos numa situação dos benefícios se perderem pelos riscos e possíveis efeitos nocivos.

Com as etapas introduzidas, concluiremos com o ponto mais importante do texto: A necessidade de um bom nutricionista para elaborar as propostas saudáveis junto ao chef de cozinha e garantir o correto controle de qualidade de tudo que seja produzido. Assim como, a importância extrema de um treinamento de equipe eficiente, para que todo o projeto implantado esteja íntimo para todos.

Um treinamento de equipe com conceitos básicos de alimentação e saúde é fundamental para a manutenção do cardápio saudável e a boa adesão dos consumidores. Afinal, o consumidor que busca opções saudáveis, tende a perguntar ao garçom sobre os pratos sem glúten, com menos carboidrato,  sem lactose e assim por diante. E com este trabalho levado a sério e bem organizado, teremos o restaurante apto a atender a demanda de opções saudáveis e consumidores mais exigentes nestes aspectos.

Por Rafael Duarte

Rafael Duarte – Nutricionista especializado em Nutrição clínica, Nutrição esportiva e consultor em qualidade de vida corporativa. Sócio-diretor da Nutricon Saúde.

Sobre o autor

admin_bomsabor

Deixe um comentário